Treinar_Gestao_Empresarial_Logo_Sem_fundo.png

32 98875-2921

Equilíbrio Financeiro

Revista Conexão Comércio

O cálculo correto dos preços é fundamental para o equilíbrio financeiro das empresas. Em alguns casos, um erro pode significar um grande prejuízo. Mas será que levamos em consideração todos os custos fixos e as variáveis de cada produto?

Por mais simples que possa parecer, o cálculo corretor de preços é um processo complexo que requer planejamento e constante atualização. Num mercado onde o fator preço é considerado o mais atraente pelos consumidores, ter um preço competitivo é mais que um diferencial, é uma questão de sobrevivência.

De acordo com pesquisas grande parte dos micro e pequenos empresários não sabem nem ao certo quanto ganham. “Na maioria das vezes o preço é baseado na concorrência e não há um calculo que considere os custos fixos e variáveis da empresa”, afirma.

Segundo o especialista em finanças, Maurício Galhardo, sócio-diretor da Praxis Business, existem duas formas de calcular o preço de venda de um produto: com base nos custos financeiro ou analisando o preço praticado no mercado e pela concorrência. “O ideal é unir as duas formas, pois uma completa a outra. Quando só é considerado os custos, posso correr o risco de o valor final não ser competitivo no mercado. Quando só analiso o mercado, corro o risco de não cobrir os custos e contrair um grande prejuízo. Assim, a receita para um cálculo correto e justo está no equilíbrio desses dois fatores”, defende. Ainda de acordo com o especialista ter uma margem de lucro é uma boa estratégia para manter o preço no momento da sazonalidade. “Nesta situação, a maioria dos seus concorrentes precisarão aumentar seus preços. Se você manter o valor por algum tempo, poderá conseguir um diferencial no mercado”.

Os empresários também devem ter atenção ao fazer promoções, pois no impulso de querer vender mais, acabam dando descontos além do limite dos custos. “O preço deve ser estabelecido com responsabilidade e conhecimento dos números que os cercam como as despesas operacionais, por exemplo. Quem pratica a “guerra de preços” deve ter total consciência de seus custos e, principalmente, saber qual é o limite para manter seguro sua margem de lucro”.

Maryana Araujo, vice-presidente da Masci Consultoria, explica detalhadamente quais pontos que devem ser observados para o cálculo correto de preços. “Inicialmente consideramos os custos fixos como aluguel, água, luz, impostos e carga tributária. Em seguida, os custos variáveis ou custos do processo que incluem a mão de obra. Custos com insumos e matérias-primas também devem ser considerado e, por último, o preço da concorrência”. Segundo ela, uma pesquisa de mercado e de público ajuda muito a estabelecer o preço correto dos produtos. “Não basta saber apenas por quanto um determinado produto está sendo vendido no mercado. É preciso saber quanto o nosso cliente está disposto a pagar por ele”, afirma. Para Raphael de Paula, não existe “gordurinha” no preço. “Tudo deve estar dentro da margem de lucro da empresa, inclusive a porcentagem para a negociação com o cliente. Fazer o planejamento contábil dá trabalho, mas o retorno, com certeza, vem em dobro.”


Fonte: Revista Conexão Comércio